Curia Generalis Ordinis Fratrum Minorum Capuccinorum

Log in
updated 3:19 AM CET, Nov 21, 2017

Comissão Interfranciscana “Romans VI”

No último dia 26 de junho, na Cúria Geral dos Capuchinhos em Roma, aconteceu o encontro da Comissão Interfranciscana “Romans VI”.

Um pouco de história

A Comissão foi instituída pelos Ministros Gerais dos Frades Menores, Conventuais, Capuchinhos e TOR em 26 de abril de 1982, com o nome de Comissão Interfranciscana para a Justiça e a Paz, e foi nomeado um frade de cada família franciscana como membro da mesma.

Em 28 de fevereiro de 1986, o Conselho da Conferência Franciscana Internacional (CIF-TOR) inseriu na Comissão a sua Secretária Geral e, em 22 de janeiro de 1991, também a Presidência Internacional da Ordem Franciscana Secular nomeou um membro seu para fazer parte da Comissão.

Desenvolvimento da Comissão

Ao longo dos anos, a participação, a estrutura e os objetivos da Comissão foram ulteriormente se desenvolvendo, como demostram os documentos produzidos por ela. Desde 2009, a Comissão é informalmente chamada de “os Seis ROMANOS” (the Romans VI), e se tornou a Comissão Interfranciscana de Justiça, Paz e Integridade da Criação.

O cognome de Romans VI deriva do fato de que os membros que fazem parte da Comissão são os responsáveis pelos departamentos centrais de JPIC das diversas Ordens e que trabalham e vivem em Roma nas Cúrias Gerais. Daí o nome que, contudo, “manca” um pouco, pois o membro da OFS, por razões óbvias, e o da TOR não residem em Roma.

Se, inicialmente, os encontros da Comissão estavam limitados a algumas vezes por ano, sucessivamente, aumentando o empenho pela Justiça, a Paz e a Integridade da Criação dentro da Família Franciscana e os novos desafios do mundo, a ação da Comissão, sobretudo a partir da Cúpula Rio+20 de 2002, tem sido mais concreta e incisiva.

Tal concretude tem se realizado organizando a presença de delegações franciscanas internacionais em eventos de relevância mundial (por exemplo, na Conferência sobre o Clima COP21 de Paris e no Fórum Social Mundial de Montreal de 2016), onde a presença franciscana teve funções ativas de promoção e de testemunho de atividades e de campanhas em favor dos mais pobres, dos marginalizados e do meio ambiente. É bonito poder confirmar que a presença franciscana foi notada e apreciada por todos imediatamente, confirmando que a mensagem de Francisco é uma mensagem universal que toca os corações e as sensibilidades de culturas e religiões diversas, e que, para sermos testemunhas críveis, é necessário a participação. Este impacto encorajou os membros da comissão a estender o próprio empenho segundo modalidades e prazos que agora estão em estudo.

Ulteriores iniciativas já desenvolvidas pela Comissão são a assinatura de um termo de compromisso com a Franciscans International para uma colaboração mais estreita e a adesão ao Movimento Católico Global pelo Clima, adesão que foi proposta seja a cada um, seja às Ordens e Congregações representadas na Comissão.

Attilio Galimberti, OFS, Presidente de turno

Galleria delle foto

Última modificação em Terça, 18 Julho 2017 17:49