Curia Generalis Ordinis Fratrum Minorum Capuccinorum

Log in
updated 11:13 PM CEST, May 26, 2017

O Vicariato da Arábia celebra cem anos de presença da Província capuchinha toscana

Destaque O Vicariato da Arábia celebra cem anos de presença da Província capuchinha toscana

Em 20 de março de 2017, a Catedral de São José, em Abu Dhabi, testemunhou uma celebração histórica: “A construção da Igreja na Arábia”, cem anos de presença da Província capuchinha da Toscana no Vicariato da Arábia. Fr. Angelo Fiumicelli, 91 anos, já regressado à Itália, e Fr. Eugenio Mattioli, ainda na ativa, ambos com seu entusiasmo e sua competência, tornaram o dia uma experiência inesquecível para todos.

A solene Eucaristia celebrada ao aberto foi seguida por discursos e por uma apresentação em filme. O Bispo Paul Hinder (Vigário Apostólico da Arábia do Sul) foi assistido por convidados especiais: o Núncio Apostólico, o Arcebispo Francisco Padilla, do Kuwait; o Ministro Geral da Ordem Capuchinha, Fr. Mauro Jöhri, de Roma; o Provincial da Província da Toscana, de Florença, Fr. Valerio Mauro; 43 sacerdotes das paróquias do Vicariato e cerca de 2000 fiéis.

Confiar uma missão a uma província de religiosos em particular tem trazido benefícios ao desenvolvimento estável da Igreja em um território: 1) um constante fluxo de missionários; 2) espírito de equipe e empenho; 3) participação ativa da igreja mãe; apoio e empenho voluntário. Na Arábia, o objetivo não tem sido a conversão dos muçulmanos, mas a atenção pastoral aos milhões de trabalhadores imigrantes provenientes de todo o mundo.

A partir da missão em Áden em 1916, os capuchinhos toscanos têm preservado e construído, em condições de extrema dificuldade, a igreja na península em um período de cem anos. Com o súbito crescimento do petróleo, houve um fluxo de trabalhadores migrantes rumo ao Golfo. A generosidade e a abertura das autoridades dos países do Golfo permitiram aos Capuchinhos estabelecer novas fundações no Bahrein (1939), nos Emirados Árabes Unidos e em Omã (1960), e também em outros países do Golfo.

Em seguida, no tempo do Bispo Giovanni Bernardo Gremoli, Vigário Apostólico de 1976 a 2005, além de ser o último bispo do Vicariato proveniente da Toscana, a Província não tem estado mais em condições de responder à demanda por novos missionários para assistir às dezenas de milhares de católicos que chegam aos países do Golfo. Por este motivo, o Bispo Gremoli dirigiu-se a outras províncias capuchinhas na Índia, Líbano e Filipinas para a assistência. Também enviou leigos que trabalham no Golfo para a formação presbiteral.

Embora a Igreja dos imigrantes do Golfo viva o desafio de manter seus elos, nela resplandece o esforço de padres, religiosos e leigos em ser igreja universal, uma na diversidade de nacionalidades, culturas e tradições eclesiais.

Fr. Eugenio Mattioli celebrou o jubileu de diamante (60 anos) de sua ordenação presbiteral. Foi o último capuchinho toscano no vicariato, com o maior tempo em anos de missão.

O programa completo pode ser visualizado nos links seguintes. A breve apresentação do filme no final (10 minutos) narra os 100 anos de história da missão.

Última modificação em Quinta, 06 Abril 2017 07:39